2016-08-30

Tecnologia aliada à Saúde

BI

Com saúde não se brinca. Esse tem sido um lema comum durante décadas. E, por causa dele, a área ficou conhecida por ser tradicionalista, resistente ao uso de novas tecnologias. Afinal, por que mudar o que está funcionando bem?

Só que não estava funcionando tão bem assim. Para entregar um atendimento de qualidade e mostrar cuidado com o paciente os custos sofreram um acréscimo substancial nas últimas décadas. Realizar redução de custos numa área tão sensível é uma tarefa das mais difíceis para a gestão hospitalar. O corte de despesas, se mal realizado, pode significar uma desastrosa queda de qualidade, algo inaceitável pelo tipo de cliente servido pelo negócio.

O que fazer então? Arranjar mais dinheiro? Não. A resposta é trabalhar com inteligência, fazendo o aumento da produtividade superar a necessidade de redução de custos nessa delicada balança a fim de que a gestão hospitalar possa encontrar o tão sonhado equilíbrio administrativo.

A solução encontrada para realizar essa mudança sustentável chega através do uso cada vez maior da tecnologia. Processos informatizados são uma das soluções para se atingir uma qualidade satisfatória de atendimento sem sacrificar os cofres. Ganha o gestor com a possibilidade de manter o negócio saudável, ganham os funcionários com a melhoria das condições de trabalho e, claro, ganham os clientes, os pacientes que recebem um atendimento mais ágil e com maior qualidade.

O exemplo americano

Há alguns anos, a situação da saúde nos Estados Unidos também se mostrava decadente. Apesar de ser um país desenvolvido, a falta de investimentos em tecnologia deixou a saúde local em estado preocupante. Para sanar essa dificuldade, o governo criou em 2009 o HITECH Act (Health Information Technology for Economic and Clinical Health Act).

O plano de gestão hospitalar assinado pelo presidente Obama criou incentivos para que os hospitais investissem em tecnologia, visando modernizar as operações ao mesmo tempo em que promoveu redução de custos.

A medida serviu como um aviso vindo de cima para a gestão hospitalar, que precisou privilegiar o cuidado com o paciente aplicando a tecnologia. Isso significa que é preciso se adaptar a esse novo cenário para não ficar para trás no atendimento à saúde, evitando de ser superado pela qualidade e modernidade dos concorrentes.

E o Brasil?

Não existe uma legislação específica no Brasil que incentive os hospitais a se modernizarem. Apesar disso, já é sabido que não se pode ficar parado enquanto a tecnologia ganha mais espaço a cada dia. Hospitais inteligentes vão, aos poucos, substituindo os antigos e obsoletos hospitais tradicionais.

Pode não haver pressão oriunda do governo, mas é importante se adiantar nos investimentos em tecnologia. O aumento de produtividade pode ser a diferença não apenas em se estabelecer no mercado, mas até em se permanecer nele.

Não é mais possível falar em gestão hospitalar sem falar em redução de custo e aumento de produtividade.

BI

Benefícios

A tecnologia traz muitas benesses para a área da saúde. O prontuário eletrônico onde todas as informações do paciente estão concentradas é uma delas. Cada médico, enfermeiro ou atendente pelo qual o paciente passa pode consultar ou alterar esses dados. É o fim do tempo perdido com pilhas e pilhas de papel, uma informação que nem sempre podia estar disponível para todos os envolvidos, desperdiçando um tempo valioso.

A gestão de medicamentos também é beneficiada pela tecnologia. Um estoque totalmente controlado é possível quando se tem tudo devidamente registrado e catalogado. Alguma medicação está chegando ao final? O próprio sistema avisa o administrador e, em alguns casos, até inicia sozinho o processo de compra.

A mesma regra se aplica à gestão de OPME (Órteses, próteses e materiais especiais). Esses insumos de alto custo são beneficiados seriamente quando a tecnologia entra em cena. Usando identificações por etiquetamento, o gerenciamento desses materiais permite ao hospital uma grande economia em escala.

Ainda há muito a se fazer em termos de tecnologia médica. Muitos passos a serem dados rumo a uma gestão hospitalar moderna e competitiva que vise não apenas o balanço econômico, como também o cuidado com o paciente.

Isso será possível quando deixarmos de tratar a tecnologia como uma inimiga, como algo que irá trazer problemas, já que é justamente o contrário. A tecnologia é a principal aliada na redução de custos e no aumento da produtividade. Basta que nos organizemos para utilizá-la com sabedoria.

Quais recursos tecnológicos você já utiliza em sua clínica ou hospital? Conte-nos nos comentários! Diga-nos também suas dúvidas e até a próxima!


Baixe nosso ebook “Tecnologia, Processos e Pessoas” e saiba como a sinergia entre esses três pilares pode determinar o sucesso ou o fracasso da sua organização!

book-cover
botao

Deixe uma resposta