Saiba como melhorar as operações com OPME: 20% do hospital responsável por 80% do lucro


Você já ouviu falar da regra 80-20? E do princípio de Pareto?

Saiba que, com esse princípio, você pode encontrar a área mais lucrativa do seu hospital, responsável por cerca de 80% de todo o lucro da instituição e descobrir que ela é responsável por apenas 20% de toda a sua operação. Antes que você perca tempo procurando, nós te falamos que são as operações com OPME.

Os OPME (Órteses, Próteses e Materiais Especiais), apesar de serem uma parte importante em hospitais, nem sempre recebem a merecida atenção por gestores e outros responsáveis pelo negócio. Isso acontece porque, às vezes, eles não estão bem informados sobre essa relação explicada pela regra 80-20 e acabam dividindo seus investimentos de forma não tão eficiente.

Antes disso, vamos entender um pouco mais sobre o princípio de Pareto e como podemos aplicá-lo para as operações com OPME.

opme

Princípio de Pareto nas operações com OPME

Vilfredo Pareto foi um economista italiano que, em 1906, surgiu com a teoria de que 80% das terras italianas eram possuídas por apenas 20% da população. Como agricultor, Pareto também observou que apenas 20% das vargens de seu jardim rendiam 80% das ervilhas colhidas.

A partir disso, a sua teoria do 80-20 passou a ser estudada e aplicada nas mais diversas situações, sempre com alto índice de acuidade e sucesso. Vejamos alguns exemplos do princípio de Pareto:

  • » 80% das vendas são obtidas por 20% dos vendedores.
  • » 80% das interrupções de um gerente vêm de 20% dos empregados.
  • » 80% dos resultados obtidos com publicidade vêm de 20% das campanhas veiculadas.
  • » 80% da cerveja são consumidas por 20% daqueles que a bebem.
  • » 80% dos lucros dos hospitais vêm dos 20% das operações com OPME.

Aplicando o conceito à saúde

Sabedores da precisão do princípio de Pareto, gestores podem agora analisar melhor seus negócios, direcionando esforços e, principalmente, investimentos para os 20% que estão gerando mais lucro para a instituição, como as operações com OPME.

Claro que não se pode aplicar o conceito de forma isolada, deixando de prestar outros serviços ou abandonando-os totalmente à própria sorte, embora seja possível fazer uma gerência mais abalizada e competente. Alguns exemplos do que se pode fazer:

  • » Focar as ações de marketing nos 20% que realmente dão resultado e considerar a eliminação de todo o resto.
  • » Investir fortemente nos 20% de médicos e profissionais de saúde que são responsáveis pela manutenção de 80% dos pacientes, preocupando-se menos com a rotatividade dos restantes.
  • » Gastar 80% do seu tempo tomando conta da parte do negócio que, apesar de representar apenas 20%, retorna 80% do lucro, ou seja, as operações com OPME.

Isso significa que o orçamento anual do hospital pode ser melhor utilizado e os recursos humanos do hospital podem ser melhor direcionados, assim como os recursos tecnológicos.

A seguir, algumas ideias do que pode ser feito para melhorar as operações com OPME.

O que fazer

Se por um lado as operações com OPME representam um grande lucro para os hospitais em geral, por outro a negligência com o manuseio e, principalmente, a estocagem desses materiais pode transformar o dia a dia em um pesadelo para os gestores.

OPMES costumam ser produtos de uso bastante específico e custo alto, por isso não se pode comprá-los em grandes quantidades sem a garantia do uso dentro do prazo estipulado. Quando falamos em prazo, nos referimos à validade desses produtos, mas também à provável defasagem tecnológica, uma vez que novas tecnologias são desenvolvidas todos os dias e um produto pode se tornar rapidamente obsoleto com a chegada de um substituto.

A grande arma dos gestores é apostar na tecnologia. Trabalhar com médicos e fornecedores para criar uma rotina de compras, uso e entrega baseada em histórico e tendências para o futuro, trabalhar com estoques enxutos e mais fáceis de se manter, sem a necessidade de inventários constantes.

Aproveitar a tecnologia RFID já regulamentada pelo governo como grande argumento para informatizar não apenas o estoque, mas todos os pontos do hospital por onde transitam as operações com OPME, de forma a agilizar esses processos e diminuir as perdas.

Dessa forma, hospitais podem aproveitar melhor os 20% responsáveis por 80% dos lucros e manterem suas operações e seus pacientes sadios.

Não deixe também de enriquecer esta discussão com a sua opinião, uma experiência ou um caso de sucesso. Vamos crescer juntos.

Gestor OPME


Deixe um comentário

Seu email está seguro conosco.