marketing médico

Marketing Médico nas redes sociais: quais os limites?

Alguns estudos recentes revelaram que o brasileiro passa mais de 4 horas do seu dia conectado ao celular, sendo a maior parte deste tempo dedicado ao acesso às redes sociais – como Facebook, Instagram e Whatsapp.

Como é de se esperar, esta rotina vem sendo aproveitada por marcas, lojas e empresas que desejam impulsionar suas vendas, e assim, apostam no Marketing Digital.

Algumas clínicas, hospitais e serviços médicos também vem utilizando da Internet para divulgar seus serviços, e embora isso seja legalmente permitido, existem diversos limites impostos pela ética.

Como realizar o Marketing Médico de forma saudável e ética.

Principais redes sociais utilizadas:

No momento em que se decide realizar o Marketing Médico, deve ser feita uma seleção de quais redes sociais serão o foco.

É muito comum que uma mesma postagem seja adaptada para mais de uma plataforma, e assim, atinja diversos públicos.

Mas, em geral, as redes sociais preferidas dos médicos tem sido Instagram, Facebook, Whatsapp e blogs.

Há também a opção de apostar no próprio site da instituição (seja uma clínica ou hospital), através da divulgação de conteúdos de interesse da população, que acabam por encontrar a página através da busca de palavras-chave e outras estratégias de ranqueamento (chamadas de SEO).

Como postar conteúdos de qualidade?

De nada adianta estar presente em todas as plataformas sociais se o conteúdo oferecido não despertar atenção e interesse do seu público. Também, deve-se focar na população atendida pelo estabelecimento e/ou profissional, afinal, é necessário segmentar o público alvo que se deseja atingir.

Pensando nisso, o primeiro passo é realizar um estudo de perfil dos seus seguidores e principalmente dos seus pacientes. Isso se torna mais simples quando se trata de uma única especialidade médica. Por exemplo, em uma clínica de obstetrícia, os conteúdos deverão ser voltados para gestantes e puérperas.

Devem-se levar em conta as principais dúvidas levantadas durante as consultas, pois através delas podem ser construídas pautas atraentes e que interessem o seu público.

Finalmente, a partir de ideias e postagens criadas com foco no seu público, pode-se ter um bom resultado, tanto com o intuito de manter os pacientes atuais, mas, além disso, atrair outros e gerar valor para quem se lê seu conteúdo.

CFM e embates éticos do Marketing Médico

Como é de se esperar, o Conselho Federal de Medicina precisa intervir no Marketing Médico, com o intuito de evitar que os “limites” sejam ultrapassados nas postagens.

Existe um manual disponibilizado pelo CFM, que trata dos principais pontos a serem respeitados nas postagens. Você poderá lê-lo na íntegra no seguinte link: https://portal.cfm.org.br/publicidademedica/arquivos/cfm1974_11.pdf.

    Mas, em linhas gerais, pode-se dizer que é vedado ao médico:
  • Postagens de fotos de “antes e depois” de pacientes, ainda que haja autorização destes;
  • A autopromoção, através do uso de termos como “o melhor”, “o único”, e outros;
  • Realizar propagandas de produtos e medicamentos

Com o uso saudável e racional das redes sociais e sites, é possível criar posts de qualidade e que tenham como grande objetivo auxiliar seus pacientes e leitores sobre diversos assuntos.

O marketing médico aliado as novas formas de comunicação pela internet tem um grande potencial e pode alcançar um enorme número de pessoas.

As ferramentas digitais podem ser sempre aliadas:

Embora todas estas ideias possam assustar em um primeiro momento, é preciso ter em mente que é possível adequar seu trabalho as plataformas digitais, podendo contar com o auxílio de profissionais qualificados.

Além do marketing médico, a tecnologia abre-se para a gestão de hospitais e clínicas, com o intuito de otimizar o tempo e facilitar as tarefas.

5certos

Ainda temos muitos percalços dentro do setor da saúde no Brasil, como:

  • Burocracia
  • Hierarquia extremamente verticalizada
  • Imaturidade tecnológica
  • Falta de verba e apoio a inovação
  • Para mudar essa realidade precisamos nos conscientizar do mais importante: Todos saem ganhando quando a tecnologia e inovação são usadas para o bem, desde a população melhorando sua qualidade de acesso ao setor, quanto profissionais do ramo, que otimizam cada vez mais os serviços prestados e tempo.

    Você já usufrui de novas tecnologias no seu hospital ou clínica? Conta pra gente nos comentários quais são!

    Deixe uma resposta