logistica-hospitalar

Logística e tecnologia: um caso de dependência

Segundo especialistas, inovações tecnológicas e dos sistemas de informação já são elementos essenciais para a gestão logística hospitalar

Logística, segundo o conceito mais recente do Council of Supply Chain Management Professionals (CSCMP), é o “processo de planejar, implementar e controlar a eficiência, o fluxo e armazenagem de mercadorias, serviços e informações correlatas, do ponto de origem ao ponto de consumo”.

Logistica Hospitalar

Com o aumento da complexidade de negócios de saúde e novas exigências de órgãos regulamentadores e fiscalizadores, as organizações precisam investir cada vez mais na melhoria de seus processos logísticos, de modo que possam controlar com mais segurança sua cadeia de suprimentos. Ferramentas e soluções advindas dos mais avançados sistemas de Tecnologia da Informação (TI) podem adequar os hospitais aos novos tempos e, como consequência, evitar fraudes, furtos, roubos, perda de material por vencimento etc, aumentando o controle de cada etapa do fluxo.

“A eficiência e a eficácia da gestão logística de hospitais dependem diretamente da implantação de sistemas de informação avançados”, explica Fernando Monlin, diretor de operações (COO) da Gtt Healthcare, empresa de tecnologia catarinense que oferece soluções em autoidentificação para automatização de processos hospitalares. Entretanto, segundo o especialista, “não adianta ter uma tecnologia avançada em termos de operações logísticas se os processos não forem aderentes às estratégias da organização”. É necessário, portanto, que as ferramentas e softwares sejam elaborados alinhados com os objetivos de um hospital, com todas as suas peculiaridiconsades e normas.

Atualmente o mercado de saúde já dispõe de diversas ferramentas que facilitam a gestão das informações para organizações que buscam a excelência em processos logísticos. Uma das soluções mais importantes para este mercado, que é tão específico, são as chamadas “etiquetas inteligentes”. Elas promovem a serialização, a rastreabilidade e o controle de medicamentos por meio da tecnologia RFID (do inglês Radio-Frequency IDentification), um método de identificação automática através de sinais de rádio. Etiquetas com um chip são aplicadas em cada material hospitalar e são capazes de armazenar e recuperar dados imputados remotamente por meio de uma ferramenta online. Dados como vencimento, EPC (do inglês Eletronic Product Code), lote, referência, localização, movimentação etc.

2 comentários em “Logística e tecnologia: um caso de dependência

  1. Excelente matéria!
    São muitos os benefícios resultantes desta solução. Segurança, rastreabilidade, redução de perdas e retrabalho, de processos, de interferência humana, entre outros. Num mercado tão peculiar e sensível a desvios, o investimento é quase obrigatório.

    1. Muito bom Carlos Soares, é nessa linha, a automação é fundamental para melhoria dos processos que tem como ponto focal o paciente, assim mais do que nunca este investimento torna-se obrigatório ainda que refletindo na eficiencia operacional, promovendo redução de custos, eliminação de erros e incremento da receita.

Deixe uma resposta