“Lava Jato” da saúde


Modelo da Lava Jato se replica e deve ganhar fôlego para investigações na saúde

A operação Lava Jato vem chocando o Brasil com as investigações e a divulgação de esquemas de corrupção de tamanhos muito maiores do que se imaginava.

Que havia corrupção, não somente na esfera governamental, como na área privada e na relação entre ambos, não era novidade para praticamente ninguém. O que surpreendeu muita gente foi a prisão de empresários, políticos e outros envolvidos considerados imunes a esse tipo de ação.

O modelo de sucesso acabou por inspirar outros setores onde é sabido que esquemas de corrupção acontecem. Um dos novos alvos de investigações criminais ligadas a esquemas de propina, fraude em concorrências e licitações, além de outros crimes é a área da saúde.

investigações na saúde

A saúde na UTI

O descaso com a saúde pública motivou a abertura de inquéritos investigativos por parte do Ministério Público. No Rio de Janeiro, por exemplo, Estado onde as notícias têm sido muito preocupantes no que concerne à saúde, processos foram abertos para verificar 8 das 10 organizações sociais que administram 108 das 248 unidades de saúde cariocas.

As investigações se baseiam nas denúncias de irregularidades como não fornecer atendimento adequado aos pacientes e chega à suspeita de desvio do dinheiro público.

Mas o problema não está somente vinculado à saúde pública. Clínicas particulares, laboratórios, planos de saúde e outros estão sendo ligados aos mais diversos esquemas criminosos. Por outro lado, a notícia de que algo está sendo feito e a de que culpados estão sendo punidos coloca um alento para o futuro.

É o caso de três companhias que atuam no país e tiveram seus nomes envolvidos por meio de delação premiada. EMS e Hypermarcas, de medicamentos, e a Amil, de planos de saúde estão na mira das investigações.

Quem também enfrentou problemas desse tipo foi o hospital Albert Einstein. Só que o caso partiu de dentro do próprio hospital que solicitou à polícia que checasse a relação entre os médicos que trabalham lá e seus fornecedores.

Grandes somas atraem golpistas

A saúde depende de grandes quantidades de dinheiro para se manter em funcionamento. A principal fonte desse dinheiro é o governo que faz o repasse de verbas públicas.

Os desvios já começam logo na construção das unidades de saúde. Licitações fraudadas, obras superfaturadas e todo o tipo de propina acabam por consumir grandes quantias de dinheiro que deveria estar sendo aplicado ao bem-estar da população.

Depois de concluídas, as unidades de saúde passam a enfrentar outros problemas envolvendo a corrupção. Para se conseguir mais dinheiro oriundo de verbas públicas, médicos e outros profissionais inescrupulosos forjam atendimentos, exames e outros procedimentos apenas para serem pagos em maior quantidade.

Investigações vêm mostrando que a formação de quadrilhas dentro dos hospitais acontece de forma a tornar o monstro cada vez maior. Cada pessoa que descobre o esquema ou chega para trabalhar no grupo é convidada a participar e o problema só aumenta.

Má gestão

Os motivos são variados, entretanto a má gestão é fato comum na saúde brasileira. A falta de controle sobre procedimentos realizados, entrada e saída de materiais e outros dados que ajudariam a esclarecer as questões são negligenciados pelas autoridades, sejam elas governamentais ou privadas.

A corrupção se inicia dentro do próprio governo, onde obras na área são usadas como moeda de troca e se espalha pelas agências regulatórias e por toda a rede. Por ganância ou falta de opção, mais e mais profissionais acabam por aderir ao esquema. As investigações e punições infrutíferas também contribuem para que o problema se alastre tal qual uma doença.

Delação premiada

Se há um alento, não só para a saúde, mas para toda a corrupção generalizada que assola o Brasil, é que as investigações promovidas pelo Ministério Público em conjunto com a Polícia Federal estão gerando alguns frutos.

Ainda estamos longe de ver os criminosos envolvidos pagarem por seus crimes de forma justa, devolverem as quantias adquiridas indevidamente e perder as regalias. Muitos dos envolvidos no Lava Jato, apesar de presos, gozam de regalias e alguns recebem até salário.

Por outro lado, as delações premiadas estão ajudando a desmantelar esquemas antigos e colocando uma pulga atrás da orelha daqueles que pretendem repetir seus atos.

A saúde precisa ser levada a sério por governantes, empresários do setor, profissionais médicos e todos os envolvidos. Só assim o Brasil deixará de ter um sistema caro, lento e ineficiente.

E não se esqueça de nos contar sua opinião ou experiência nos comentários. Até a próxima!


 

rastreabilidade


Deixe um comentário

Seu email está seguro conosco.