google glass

Google na saúde: por que agora dá para confiar

Se há cinco anos o Google ainda não era confiável para questões de saúde, hoje prova que o jogo virou;
Conheça as mais importantes iniciativas e ações no setor de saúde pela segunda empresa mais valiosa do mundo.

 

Google na saúde“Não confie no Google”. Era o que costumávamos dizer para as pessoas quando confessavam que haviam procurado informações de saúde no maior mecanismo de buscas da Internet. Apesar dos alertas, ninguém parou. Segundo a PewSearch, 58% dos brasileiros costumam usar a rede para informar-se sobre saúde.

A preocupação ainda é sustentada por conta da imensidão de falsas informações. Uma pesquisa recente do Centro Universitário de Volta Redonda revela que menos de 10% dos conteúdos brasileiros sobre saúde na Internet – vídeos no YouTube principalmente – são minimamente confiáveis. O famigerado “Dr. Google” ainda rende piadas entre médicos e profissionais ligados à saúde em geral.

Neste contexto, que se assemelha muito ao mundial, a Google encontrou um nicho estratégico e investiu. Hoje, a empresa atua em diversos segmentos do setor e, diferente da imagem que se tinha há alguns anos, hoje se pode confiar na Google na saúde.

Conheça as principais ações da Google na saúde e entenda porque agora dá para confiar:

Google Glass

google-glass2Apesar de ter fracassado de maneira notável com os consumidores em geral, o Google Glass tem uma atenção especial dos médicos e é uma das ferramentas que comprova a força da Google na saúde. Por enquanto, os óculos ultra modernos estão sendo utilizados por hospitais universitários e faculdades para transmitir em tempo real imagens e dados de cirurgias, assim como outros procedimentos, para grupos grandes de alunos, sem precisarem sair da sala de aula. Capacitar médicos é só o começo. Rumores das últimas semanas apontam que uma atualização do dispositivo estará disponível ainda este ano: a tela seria ainda maior, capaz de mostrar mais informações de uma só vez, atendendo a pedidos de usuários, muitos deles médicos.

Descobertas genéticas

genomics1Há dois anos a Google fornece seus serviços de armazenamento de dados em nuvem (big data) para pesquisas acerca do Genoma humano e de milhares de espécies. Mas a empresa não oferece apenas o caro e infinito espaço cibernético, mas também ferramentas de indexação capazes de comparar milhões de genomas, possibilitando descobertas médicas importantíssimas em tempo recorde. Tecnologia que garante um grande avanço para diagnósticos de doenças complexas, como o câncer.

Falando em câncer…

GoogleX-Pancetta-EdNacional-Identity-r2bUm dos investimentos mais importantes atualmente da Google na saúde é o desenvolvimento de uma pílula capaz de detectar o câncer antes mesmo que ele apresente riscos ao paciente. Preenchida por nano partículas que se atraem magneticamente a determinadas moléculas associadas ao câncer, a pílula manda a informação para um dispositivo wearable (vestível) – uma pulseira, por exemplo – quando há alguma emergência.

Google fit

google-fit2Aplicativo para smartphones, o Google fit já é uma das plataformas fitness mais baixadas em todo o mundo, por usuários de iOS e Android. O app registra dados de atividades físicas e os compara estatisticamente com informações do usuário: peso, altura, alimentação etc. Um grande aliado da medicina preventiva e de tratamentos que envolvem a mudança de hábitos.

Lentes de contato inteligentes

smar-lensO uso básico das lentes inteligentes da Google é permitir que o usuário analise o ambiente ao seu redor e identifique poluentes, substâncias alergênicas e tóxicos no ar. Com isso, o usuário poderia se desviar e seguir uma rota alternativa.

Além de analisar o ambiente, as lentes são capazes de monitorar os batimentos cardíacos baseando-se em informações referentes à temperatura corporal ou o nível de álcool ou açúcar no sangue. Em um display separado é possível visualizar as informações.


Saiba mais sobre as principais tecnologias de auto identificação já existentes em nossas vidas. Baixe gratuitamente o eBook “Datamatrix, RFID e RTLS”.

autoid

Deixe uma resposta