A transformação do hospital do futuro deve-se ao fator cultural e não tecnológico


Quando as pessoas procuram um hospital, elas estão em busca de um item em especial: a confiança.

Seja por um pequeno mal-estar ou uma doença grave, espera-se que um hospital entregue sempre a melhor solução, aquela que fará efeito em menos tempo, resolverá por completo o problema e não sairá muito cara.

Por muitos anos, essa responsabilidade recaiu sobre a figura dos médicos. A carreira de medicina levava a um panteão cuja palavra do “doutor” era lei. Mas o hospital do futuro não será mais assim.

A figura dos médicos não será desvalorizada, longe disso, mas o conhecimento da saúde, antes restrito a eles de forma canônica, está agora muito mais difundido entre as pessoas comuns. E isso acontece devido ao avanço cultural perpetrado em grande parte pelos avanços tecnológicos, mas não exclusivamente a ele.

Eficiência

O hospital do futuro não será mais aquele que paira no imaginário das pessoas, ou seja, não será o local onde milagres de saúde irão acontecer. Em breve, os hospitais serão espaços em que se prestam serviços – como outros quaisquer – para a população. Além disso, não vão denotar o caráter emergencial que possuem hoje. Serão, portanto, espaços que previnem as doenças, e não apenas tratam dos sintomas e/ou complicações delas.

E isso já está gerando uma mudança cultural na administração desses lugares. Cada vez mais, o hospital deixa de ser apenas o lugar em que está o médico para se tornar o lugar em que as pessoas são atendidas quando têm algum problema de saúde. E para que isso se torne possível, é preciso uma mudança no ambiente hospitalar.

Isso significa que o hospital do futuro precisa demonstrar altos níveis de eficiência, desde o mais simples detalhe até os procedimentos mais complicados. Cada funcionário, cada detalhe técnico está sendo observado e julgado pelo público que frequenta o hospital.

Não adianta mais ter os melhores médicos se o acesso a eles é dificultado por funcionários que não sabem como agendar um procedimento, por sistemas que tornam tudo mais demorado e burocrático ou pela simples falta de sinalização adequada dentro do estabelecimento, fazendo as pessoas se perderem pelos corredores. A eficiência será cada vez mais exigida pelo público.

produtividade

Nova cultura

As pessoas estão se preocupando mais com a própria saúde. Estão agindo cada vez mais de forma preventiva e buscando a melhora na qualidade de vida em geral. Estamos cada vez mais zelando por nossos corpos e por nossas mentes também.

O hospital do futuro não será apenas o lugar para onde se corre quando algo de errado acontece, mas um lugar para onde se vai buscando a manutenção e a melhoria contínua.

Essa mudança cultural da população exigirá hospitais com aspecto mais jovial em vez de prédios frios, feios e com cheiro de produtos químicos do passado. Hospitais com essas características tenderão ao fracasso, por isso a mudança precisa acontecer o mais depressa possível.

Muito se fala da tecnologia como a principal ferramenta para o hospital do futuro. É claro que não se pode esquecer esse fator tão importante, principalmente, porque a tecnologia já invadiu nossas vidas cotidianas com smartphones, sistemas de localização e até drones por todos os lados.

Mas a tecnologia é uma ferramenta. A solução real está no elemento humano que gerencia a solução tecnológica.

hospital do futuro

O lado humano

Assim como as pessoas estão mais preocupadas com a qualidade de vida, elas também estão buscando atendimentos personalizados quando vão a um hospital. Tempos atrás ainda se imaginava que a tecnologia substituiria o lado humano, o que não aconteceu.

Um bom exemplo são os postos de atendimento automatizados em hospitais. Eles podem ser ótimos para localizar lojas em shoppings, mas não condizem com o ambiente esperado num local destinado ao cuidado médico. Esses totens costumam ser sumariamente ignorados pela maioria das pessoas. Elas procuram por outro ser humano na hora de pedir indicações.

Claro que a tecnologia é essencial para tornar o ambiente mais ágil e prático. Um bom exemplo são os painéis eletrônicos bastante usados para indicar ao usuário, baseado em um número de senha recebido, para qual sala se dirigir em seguida, substituindo aquela velha chamada vocal feita pelo médico.

O hospital do futuro será aquele que conseguir combinar com maestria o elemento humano com o que há de mais moderno em termos tecnológicos. Será um lugar jovial e agradável ao mesmo tempo que terá pouca burocracia e bastante eficiência.

O desafio está lançado. Sejamos bem-vindos ao hospital do futuro

Gestor OPME


Deixe um comentário

Seu email está seguro conosco.